quarta-feira, 1 de julho de 2009

Mler Ife Dada



Um dos projectos mais originais da nova música portuguesa, na sua vertente Pop/Rock teve origem em Cascais, em 1984, onde se formam os Mler Ife Dada .

Inicialmente o grupo era formado por Nuno Rebelo (ex-Street Kids), Augusto França, Pedro D'Orey e Kim.

Com este line-up, a banda edita o seu primeiro trabalho discográfico, um máxi-single intitulado "Zimpó".(1) Este tema era cantado em português, sendo que os restantes ("Stretch my Face" e "Spring Swing") eram cantados em inglês.

Neste primeiro trabalho as vozes estavam a cargo de Pedro D'Orey, que abandonará o grupo pouco depois para ceder o seu lugar a Anabela Duarte, uma figura carismática, com voz fadista e que tinha pertencido a outros projectos inovadores, como os Ocaso Épico e Bye Bye Lolita Girl.

Anabela já tinha participado no tema "Apartheid Hotel" dos GNR, onde fazia um dueto com Rui Reininho.

A banda, já com a nova formação(2), grava um single que inclui "L'amour Va Bien, Merci" e "Ele e Ela... e Eu", este último uma versão do tema que Madalena Iglésias cantou no Festival RTP, nos anos 60. (3)

O jornal BLITZ considera a banda como a grande revelação dos últimos tempos da música moderna portuguesa e convida-a para abrilhantar a festa do 2.º aniversário do hebdomadário, no Rock Rendez- Vous, onde esgotam a lotação. (4)

Em 1987 editam o seu primeiro longa duração "Coisas que Fascinam", onde se condensam todos os estilos que o grupo pratica (desde o experimentalismo às coladeras cabo verdianas, no tema "Siô Djuzé", este com a colaboração de Rui Reininho). O tema "Alfama" é a aproximação ao universo fadista tão caro a Anabela Duarte. Este disco é considerado pelo jornal "Público" como um dos melhores de sempre da música feita em Portugal, distinção que só prova a criatividade do grupo.

A vocalista da banda gravará, no ano seguinte um disco de fado intitulado "Lisbunah" que mostra a cantora em todo o seu esplendor fadista.

Em 1989, os Mler If Dada gravam o seu segundo LP "Espírito Invisível" que, embora aclamado pela crítica, não tem grande aceitação nas rádios. Apenas a faixa "Walkman Man" obtém algum sucesso.(5)

Com a fraca aceitação pelo público deste segundo trabalho, os convites para espectáculos começam a rarear e Anabela abandona o grupo, sendo substituída por Sofia Amendoeira que não tem o carisma e as virtudes de "performer" de Anabela. Com este line-up, a banda ainda edita um EP(6), mas dissolve-se definitivamente; pouco tempo depois.

Os dois LP's do grupo foram reeditados na colecção Coração Português da Polygram, com as capas originais e o próprio CD fazendo lembrar um velho disco de vinil.

Em 2003 a Universal edita a compilação "Pequena Fábula" que inclui novas versões de "Zuvi Zeva Novi" e de "L' Amour Va Bien Merci".(7)

ARISTIDES DUARTE / NOVA GUARDA

(1) Em Junho de 1984, os Mler Ife Dada venceram o primeiro concurso de música moderna do Rock Rendez Vous e como prémio gravaram o EP "Mler Ife Dada" cujo tema principal era "Zimpó".

(2) Pedro d'Orey abandona o grupo e é substituído por Filipe Meireles. Filipe Meireles é chamado a cumprir o SMO (Serviço Militar Obrigatório) e Kim abandona o grupo (voltaria ao grupo, apenas para alguns concertos, em 1988). Entram para o grupo a cantora Anabela Duarte [«passei-me para a oposição, a convite do Nuno Rebelo que me tinha visto a cantar com os GNR na Aula Magna.» AD/APS] e os irmãos Zezé e Nini Garcia (ex-Urb).

(3) "L'Amour va bien, Merci" aparecia também na colectânea "Divergências" da Ama Romanta. «Esse single é uma pérola. Uma mina de ouro, na melhor das hipóteses... Adorei cantar, adorei o estúdio de oito pistas, adorei a capa. Adorava os músicos e diverti-me imenso a ver pelo vidro do estúdio a cara de prazer e de gozo do João Peste, enquanto eu ia inventando o meu discurso em francês transcendental, falando na devida desproporção entre emoção e sexo e cães a ladrar e política liberal e de como o chá faz mal à garganta e outras coisas importantíssimas!... Adorava ainda que fosse reeditado, mas ninguém me liga nenhuma.» AD/ APS

(4) O saxofonista José Pedro Lorena entra para a banda.

(5) «Acho que ["Espírito Invisível"] é um disco genial, talvez mais de autor – do Nuno Rebelo – porque nessa altura, realmente, as coisas já não estavam muito bem... Mas eu também comecei a experimentar coisas diferentes com a voz e as letras. Tem momentos e canções muito boas. Era, no entanto, um disco difícil, em termos de música pop, e o público, por vezes, gosta que lhe sirvam sempre o mesmo prato.» AD/APS A formação que gravou o disco incluía Bruno Pedroso (bateria) e José António Aguiar (baixo), e Rebelo passou para a guitarra.

(6) O máxi-single "Mler Ife Dada", editado em 1990, inclui a regravação de 4 temas do LP "Espirito Invisivel" ("Choro do vento e das nuvens", "Erro de Cálculo", "Walkman Music" e "À Chuva") interpretados por Sofia Amendoeira, cantora que foi aconselhada ao grupo pela primeira professora de canto de Anabela Duarte.

(7) «(a editora) perguntou-nos se não havia alguma coisa por editar». Não havia. Mas Nuno Rebelo lembrou-se de uma versão instrumental de "L'Amour Va Bien, Merci", que tinha feito em 1995 para um bailado, e propôs a tal «versão "unplugged"» de "Zuvi Zeva Novi". «Foi só tempo de marcar estúdio e dias depois estávamos a gravar», conta. in Culto!


videoRefs.:Anos 80,B.M.

Sem comentários:

Enviar um comentário